“Isso é estelionato”, diz Jacovós sobre governo do PR manter comissão de negociação e não conceder reajuste a servidores

Para o deputado, comissão é para enrolar porque o governo já deixou claro não ter condições de reajustar salários.

O deputado estadual José Aparecido Jacovós (PR) disse, durante passagem por Campo Mourão no final de semana, que o governo do Estado comete crime de estelionato ao manter uma comissão de negociação com o funcionalismo público e não conceder reajuste salarial.

“Fica em mesa de negociação para depois falar que não tem nada para dar. Isso é estelionato”, disse o parlamentar.

Segundo o deputado, a posição do secretário da Fazenda, Renê Garcia, na última quinta-feira (5), na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), durante audiência pública de prestação de contas do Estado no primeiro quadrimestre de 2019, mostra que a comissão de negociação com os servidores públicos é para enrolar, por isso considera o ato estelionato.

Na audiência, o secretário deixou claro que o Estado não tem condições financeiras de aprovar aumento salarial ao funcionalismo público.

O deputado chegou a citar na audiência o artigo 171 do Código Penal, que prevê reclusão de 1 a 5 anos e multa em caso de “obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil, ou qualquer outro meio fraudulento”.

O líder do governo na Assembleia, Hussein Bakri (PSD), que integra a comissão de negociação, reagiu e saiu em defesa do secretário: “Aqui não tem bandido. Porque essa comissão não terminou os trabalhos ainda. Não tem ninguém 171 na comissão.”

De acordo com Jacovós, o fato do secretário citar o Rio de Janeiro, que concedeu reajuste salarial médio à polícia, por ser violento e que no Paraná não é dessa maneira, não justifica a postura do atual governo.

“O secretário quis dizer que aqui não precisa de aumento salarial paras as polícias Civil e Militar porque está calmo. Falando que a hora que o circo pegar fogo nós vamos dar aumento”, diz.

Em maio, entrou em vigor no Estado do Rio o reajuste no Regime Adicional de Serviço (RAS) de policiais militares e civis, valor pago à hora extra. O governo anunciou que o aumento médio foi de 45%.

De acordo com o deputado, a segurança pública do Estado “vai bem” por conta de policiais civis e militares dedicados porque deve ser considerado déficit de pessoal nas duas corporações, de 50% na Polícia Civil e 60% na

Polícia Militar, segundo o parlamentar. “Nesse momento, os policiais que estão há 4 anos sem aumento são heróis”, afirmou.

Jacovós, relator da CPI da JMK, que investiga contratos firmados pelo governo do Paraná com a JMK, empresa que fazia a manutenção de veículos oficiais desde 2015, afirmou também que pesa o fato de viaturas estarem paradas. “Essa empresa está roubando o povo paranaense. São R$ 102 milhões desviados em 4 anos. ”

(i44news)